Teve, por Unidade mobilizadora, o Regimento de Artilharia Ligeira 1, de Lisboa. Constituído por três Companhias operacionais e uma de comando e serviços - C.ART 738, C.ART 739, C.ART 740 e CCS - desembarcou em Luanda no dia 18 de Janeiro de 1965. Regressou à Metrópole em 1967, aportando ao cais da Rocha do Conde de Óbidos a 9 de Março.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A Visita de SEXA e os golos do Eusébio

Encontrando-se de visita a Angola, o Subsecretário de Estado do Fomento Ultramarino incluiu no seu périplo uma viagem ao Quanza-Sul, tendo-se deslocado, em 23 de Julho de 1966, à Gabela, Boa Entrada e Novo Redondo, acompanhado pelo Governador Geral de Angola, bem como pelo pelo Governador daquela Província, entre outras entidades.

Coube-me a tarefa de proceder à segurança da comitiva enquanto estivesse na zona de intervenção da CART 738, e lá fui com a minha secção, reforçada, em cumprimento da missão.

Tudo corria normalmente, até que, na visita às instalações de descasque de café da CADA (para quem não saiba era, à época, uma das maiores companhias agrícolas do Mundo), na Boa Entrada, aconteceu o imprevisto.

Naquela data, e na mesma hora em que se realizava a visita, disputava-se em Inglaterra o jogo Portugal-Coreia do Norte, a contar para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo, que estava a correr mal para as nossas cores. Decorridos 25 minutos, Portugal perdia por 3-0.

Achei que nada de mal aconteceria às ilustres figuras lá dentro e, depois de dar uma olhadela, saí, ficando à porta na companhia de um grupo que, rodeando o portador de um rádio, ouvia ansiosamente o relato. Eis senão quando, Eusébio “abre o livro” e, dando início a uma exibição de luxo, marca o primeiro dos seus 4 golos que, com mais um de José Augusto,
  acabariam por inverter o resultado. Como estarão recordados, ganhámos por 5-3.

Mas o insólito aconteceu quando Eusébio marcou o terceiro golo de Portugal. Cá fora, começámos a ouvir uma enorme gritaria dentro das instalações.

Interroguei-me sobre o que estaria acontecendo e entrei rapidamente para identificar a razão de tanto alarido. O que tinha acontecido é que a solenidade que até aí tinha presidido à visita, tinha desaparecido. Toda aquela gente, que minutos antes estava sisuda e cheia de cerimónias, pulava e gritava, trocando abraços.

Tudo isto, porque lá dentro alguém tinha ligado um pequeno transístor, e embora o som estivesse baixo, foi tal o seu entusiasmo com o golo do empate, que não resistiu a gritar “golo de Portugal!”.

E aí acabou a visita à Boa Entrada. Todas aquelas ilustres personalidades ficaram ali, parados, a ouvir o resto do relato,  até terminar o desafio.

"Entregue" a comitiva no limite da zona, aos militares de Novo Redondo, voltei para a Gabela, onde , entretanto, se tinha formado um extenso cortejo automóvel, com buzinadelas, cânticos, enfim, uma festa. Mandando às urtigas o RDM, incorporámos a viatura militar no cortejo e lá andámos, para trás e para a frente, o que me valeria uma forte repreensão, que incluiu a ameaça do “auto das passas” (*) por parte do comandante da Companhia, mas que, confesso, pouca mossa me fez face à excitação dos acontecimentos daquele dia.

Aliás, a noite acabaria em festa, na casa do civil Zeca Reais (bom amigo, já falecido), onde eu e outros camaradas, o ajudámos a ver-se livre de alguns saborosos petiscos, acompanhados de uma garrafa de um excelente “chá” da Escócia.

 

(*) O “auto das passas” tem a ver com uma estória de Lucunga, que talvez ainda conte aqui, noutra ocasião.

 

Carlos Ribeiro da Fonseca

CART 738

3 comentários:

VETERANO disse...

Lembro-me perfeitamente do dia! Encontrava-me, então, no Leste de Angola, mais propriamente no Lucusse, e ouvimos (todo o Pelotão) o relato, debaixo dos panos de tenda de um alojamento improvisado. Pelos 3-0, já maldizíamos aquela "porcaria" de equipa, que não tinha brio nenhum!
Mas depois...

AlfTenCapAnselmo disse...

Esse memorável dia está perfeitamente retido na minha memória, pois estive a ouvir o relato num rádio transistor ,mas ao contrário do anterior comentador , na casa destinada ao Comandante da CART 740 em Santa Comba ( Colonato da Cela sede da Cart 740 na altura ), na minha cama ( metálica ) , e na altura a vila estava debaixo de uma da mais fortes trovoadas que assisti em Angola.
Embora estivessemos a perder 3-0 , a equipa portuguesa estava a jogar de tal maneira bem que eu sempre me recusei a acreditar que não iríamos ganhar. A certeza veio logo ao nosso 1º golo.
Depois,foram só mais 4........
Tal contentamento não se verificou alguns dias mais tarde quando não conseguimos ultrapassar os Ingleses.
Ouvi o relato desse malfadado jogo no Lobito onde estava por me ter ido despedir do meu colega de curso ( já falecido )Ten Artª Simões da Silva e que deixara o Comando da CART 738.

mafegos disse...

Desculpa esta intromissão no teu blog,pois andava a procura de fotografias do Zenza do Itombe e depois da Gabela e deparei-me com estas e vejo que falas no meu vizinho Reais.Eu nasci na Gabela e em 66 só tinha 3 anos,o meu pai era o Sousa da Pensão Oliveira que ficava do outro lado da rua da casa do Reais.Um abraço.