Teve, por Unidade mobilizadora, o Regimento de Artilharia Ligeira 1, de Lisboa. Constituído por três Companhias operacionais e uma de comando e serviços - C.ART 738, C.ART 739, C.ART 740 e CCS - desembarcou em Luanda no dia 18 de Janeiro de 1965. Regressou à Metrópole em 1967, aportando ao cais da Rocha do Conde de Óbidos a 9 de Março

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Tôto - A Nova Sanzala !

«Clique nas imagens para ampliar»
Tôto
A Nova Sanzala

A ideia foi do Cap Art. Fernando Mira, o primeiro dos quatro Comandantes de Companhia que teve a C.Art 739. Na altura da decisão não me encontrava presente (como já disse, noutro postal, fiquei retido, na Metrópole, por motivo de doença grave) e quando me juntei à Companhia vim a saber que, ao Alf Mil Inf. Eduardo Palaio fora atribuída a tarefa de dirigir a construção de uma nova sanzala, uma espécie de bairro social, que permitiria uma substancial melhoria da qualidade de vida da população residente.

A ideia tinha alguma complexidade. Não se pretendia oferecer as casas gratuitamente. Entendia-se necessário que, quem viesse a recebê-las, as obtivesse com algum esforço. Falou-se, tanto quanto sei, com o chefe da aldeia, gerou-se algum entusiasmo e iniciaram-se os trabalhos.

O financiamento da acção foi obtido através da criação de uma enorme “lavra”. Na base do pequeno monte onde se previa levantar o novo aldeamento, corria um riacho, nas margens do qual, em terreno muitíssimo fértil, se procedeu, sob a orientação de alguns soldados, aos trabalhos de sementeira e plantação de “frescos” destinados, sobretudo ao consumo do quartel. O terreno foi dividido em talhões que foram atribuídos a todos quantos se mostraram interessados nas futuras habitações. Os “frescos” excedentes do consumo próprio, eram vendidos ao exército, que os pagava a preços correntes, daí resultando as verbas necessárias à aquisição da madeira para janelas e portas, de vidros, de chapa ondulada para a cobertura e demais materiais impossíveis de obter localmente. As paredes eram de adobe que os habitantes se ocupavam em fabricar. Todo o restante trabalho era feito por soldados, cujas profissões civis estavam ligadas à área da construção, e que eram dispensados do serviço operacional. A Companhia fez deslocar a Carmona, alguns carpinteiros para os trabalhos da sua arte.

Entretanto o Cap Art. Fernando Mira foi promovido a Major e transferido para outra Unidade (a despedida que a população lhe fez foi comovente. Referirei o assunto noutra oportunidade). Foi substituído pelo Cap Inf. Ramiro M. Nascimento que se entusiasmou com o projecto e lhe deu novo impulso. Pouco tempo depois era inaugurada, com pompa e circunstância – esteve presente o Ten Cel. Cabrita Gil, Comandante do Batalhão e foi benzida pelo Capelão da Força Aérea que, habitualmente, lá vinha rezar a missa dominical e de cujo nome me não recordo - a nova sanzala do Tôto.
O Ten Cel Cabrita Gil, discursando...
Ao lado: Alf Mil Inf. Eduardo Palaio e Cap Inf. Ramiro M Nascimento
O Alf Mil Inf. Eduardo Palaio, discursando...
Do lado direito, de branco, o Capelão da Força Aérea que procedeu à cerimónia da benção
VETERANO

Sem comentários: