Teve, por Unidade mobilizadora, o Regimento de Artilharia Ligeira 1, de Lisboa. Constituído por três Companhias operacionais e uma de comando e serviços - C.ART 738, C.ART 739, C.ART 740 e CCS - desembarcou em Luanda no dia 18 de Janeiro de 1965. Regressou à Metrópole em 1967, aportando ao cais da Rocha do Conde de Óbidos a 9 de Março

domingo, 21 de novembro de 2010

Viagem a Carmona - Parte 1

A capelinha do Tôto
(Ao fundo, do lado esquerdo da foto, podem ver-se algumas casas da nova sanzala)

Um dia recebi ordem de me deslocar a Carmona (Uige).

Terá sido em meados de 1965 – talvez Junho ou Julho, ou até um pouco mais tarde – e, portanto, em plena Estação Seca. Queimados, há muito, os capins a terra começava a cobrir-se de novos rebentos aguardando a época de chuvas que se avizinhava.

Não me recordo quem comandava, por essa altura, a minha CArt 739, se ainda o Cap. Fernando Mira, se já o Cap. Morna do Nascimento. Fosse quem fosse, ordenou-me que me deslocasse com o meu Grupo de Combate àquela cidade, tendo em vista fazer regressar ao Tôto uns quantos soldados, carpinteiros na vida civil, que para lá tinham ido construir portas e janelas para as casas da nova sanzala. Com eles viria todo o material já pronto.

Constituiu-se a coluna com uma ou duas viaturas a mais – destinadas, precisamente, ao transporte dos “soldados-carpinteiros” e respectivo material. Aproveitando a circunstância para proporcionar ao meu pessoal um dia ou dois de férias – merecidíssimas, aliás, em virtude da intensa actividade exercida nos últimos meses - juntei todos quantos podiam deslocar-se e, no dia aprazado, lá arrancámos para Carmona.

Os trolhas

O meu condutor era, habitualmente, o Alonso Varudo, “o Compadre”, que sofria de aborrecidíssimas dores de estômago, pelo que a condução era, para ele, um verdadeiro tormento. Nunca se lamentava, porém, suportando com verdadeiro estoicismo a circunstância(1). Sempre que possível, e embora isso fosse expressamente proibido, eu próprio o substituía na condução do jeep(2), o que, daquela vez, acabou também por acontecer.

Para além do mais, a estrada era relativamente segura e assaz movimentada – pelo menos até ao Vale do Loge – por virtude de diversas deslocações de e para o Tôto onde se encontravam o Destacamento de Intendência, o Pelotão de Apoio Directo e o aeródromo com movimento de aviões pelo menos duas vezes por semana. Talvez por isso e que me lembre, nunca aquele troço de estrada foi atacado no ano inteiro que por lá permanecemos.

Já próximo do Vale do Loge a estrada fazia uma curva muito acentuada e, por isso mesmo, bastante perigosa. O “Compadre” bem me preveniu, mas, convencido da “excelência” da minha condução – aliás muito incipiente, pois nem carta possuía ainda – a verdade é que entrei na curva com algum excesso de velocidade – não muito, porque a estrada não dava para isso, mas, de qualquer maneira, com algum – e, por mais que tentasse, não consegui dominar o jeep, indo parar ao grande espaço que ladeava a estrada, cujo terreno, felizmente plano e sem árvores, impediu consequências mais desagradáveis do que uns quantos solavancos e um enorme susto(3).

Casas em diversas fases de construção
VETERANO

(1) O "Compadre" mantêm-se um excelente amigo e não podendo, por razões de saúde, comparecer às nossas confraternizações, nunca se esquece de me contactar telefonicamente por essa altura, para uma longa conversa, onde a saudade dos amigos transparece em todas as suas palavras.
(2) Deste modo fui praticando o suficiente para ainda, mas já próximo do fim da comissão, obter a carta de condução militar.
(3) Mais tarde, já no Mussende, protagonizei um novo acidente, desta vez com algumas consequências materiais, mas, felizmente, sem quaisquer mazelas pessoais.
Veterano

Sem comentários: