Teve, por Unidade mobilizadora, o Regimento de Artilharia Ligeira 1, de Lisboa. Constituído por três Companhias operacionais e uma de comando e serviços - C.ART 738, C.ART 739, C.ART 740 e CCS - desembarcou em Luanda no dia 18 de Janeiro de 1965. Regressou à Metrópole em 1967, aportando ao cais da Rocha do Conde de Óbidos a 9 de Março

segunda-feira, 12 de março de 2012

Confraternização de 2012 - Notas à Margem

FÁTIMA
A Casa São Nuno, onde se realizou a confraternização deste ano

A Confraternização de 2012 realizou-se no pretérito Sábado, na Casa São Nuno, em Fátima
A concentração estava prevista para o meio-dia, altura em que foram servidas as Entradas. Por volta da uma hora da tarde iniciou-se o Almoço, que reuniu cerca de 300 pessoas
Um aspecto da sala (foto roubada DAQUI)
Procuramos sempre que o convívio de realize numa localidade situada sensivelmente a meio do País, minimizando, deste modo, o esforço derivado das grandes distâncias a percorrer, quer por quem vem do Alto Minho ou Trás-os-Montes, quer, também, por quem se desloca do Algarve
Fátima foi, este ano, escolhida pela primeira vez. Alguns Camaradas viajaram, propositadamente do Canadá e faziam gosto em deslocarem-se a Fátima. Com a escolha, proporcionou-se um "dois-em-um"
A passagem por Fátima era quase um hábito para muitos Camaradas, geralmente a pedido dos seus familiares, quando os convívios se realizavam mais pelo Sul. Também aqui o "dois-em-um" veio a calhar
A CArt 738 e a CArt 739 distinguiram-se, este ano, pelo elevado número de participantes. As outras duas Companhias, apesar de um maior número de presenças, estão ainda um pouco longe de as alcançarem.
A Cart 738 reuniu, este ano, os seus quatro comandantes de Pelotão (Pereira, Morgado, Casimiro e Fagundes), o que não acontecia há já muitos anos (sem querer arriscar, talvez há mais de 20 anos)
Os quatro Comandantes de Pelotão da CArt 738
Francisco Morgado, Sebastião Fagundes, Vitor Casimiro e José Pereira
(Em pé, Carlos Cristóvão da CCaç 715) . Foto roubada DAQUI

O reencontro do ex-Furriel Morais Soares - CArt 738 - com os seus Camaradas que já não via há 45 anos foi um dos momentos emocionantes do dia.
  José Pereira, Morais Soares e Mário Abreu, todos da CArt 738
(Foto roubada ao blogue SPM8146)

Do ex-Alferes Palaio - da CArt 739 e que não pôde comparecer - recebemos um "mail" que prometemos ler durante o convívio. Um pequeno problema surgido na altura da partilha do bolo comemorativo exigiu a nossa presença e o momento passou. Com o nosso pedido de desculpa, aqui o reproduzimos:
Caríssimos camaradas de armas, bons amigos do peito lusitano (oba!)
Com os 70 anos estou, garanto-vos cada vez mais "que es adof"!
Certamente vos lembrareis de que na vossa meninice pessoas de cinquenta e tal anos eram velhas. Na altura éramos capazes de pedir a Deus (e esta heim?) para que nos deixasse chegar aos 60 ou talvez sessenta e doisinhos.
Estamos a maioria de nós quase nos 70, mesmo o capitão Morna e o nosso Mira, pai-nosso (que me perdõe), o discreto e gentil Amaro e do british Rubi Marques, impecável, nem se fala!... e então vamos queixar-nos de quê? O Almeida ainda dança com a rodopiante e simpática mulher, o Oliveira gaba-se de fazer outras coisas horizontalizadas... O Albino e o Luís ainda sorriem bondosamente, o alferes Barreira ainda tem energia para compôr discursos patrióticos, o alferes Augusto está cada vez mais rezingão e obstinadamente crente (ó defeito!), o Catuna engorda como um homem bom e o Cortes está como sempre, o Armando está magro como um homem bom casado com uma mulher bem disposta. O Silva Pereira é eterno! Queixar-mo-nos de quê?!
A morte sorri a todos, saibamos devolver-lhe o sorriso. O que está para vir (surgir) do chão da picada, do verde húmido da mata... olha camarada: "que es adof"!.
Um abraço para todos da 739, do Batalhão inteiro e em especial para os que um dia serviram no meu afilhado "que es adof";
ou então, já que estão em Fátima, encomendem-se a Maria, que nos séculos da nossa glória (XV e XVI) era a "Nossa Senhora dos Navegantes", sempre rezada, a bordo, na hora canónica das Trindades.
Palaiué
PS - Já está na editora a nossa história para os nossos netos lerem. Vamos a ver se sai este ano. 

VETERANO

PS - Este postal irá sendo actualizado, ao longo dos próximos dias, com notas várias, à medida das nossas lembranças. Paralelamente, aguardo o envio de várias fotografias que publicarei mal cheguem ao meu poder.
PPS - Mandem-me as vossas "notas à margem" que serão publicadas com a indicação da origem.


Sem comentários: